26/2/2021 19:29

De Nova Iguaçu para o Mundo, conheça a história de Gerson, craque do Flamengo

Das raízes em Nova Iguaçu ao estrelato, conheça a trajetória de Gerson, que, aos 23 anos, se consagra como referência dentro e fora de campo no Flamengo

De Nova Iguaçu para o Mundo, conheça a história de Gerson, craque do Flamengo

O Flamengo vai para o intervalo perdendo por 2 a 0 para o Atlético-GO, pela segunda rodada do Brasileirão, numa atuação totalmente fora do esperado. O então técnico rubro-negro, Domènec Torrent, tenta cobrar uma reação dos jogadores, mas a voz de um jovem jogador se levanta:



"Dome, você precisa falar o que eu tenho que fazer. Se não, não tenho como te ajudar. Você tem que passar orientação. Nós somos um time que sabe jogar, mas precisamos de um treinador que saiba passar informações".


No meio de jogadores mais velhos, todos com anos de experiência e títulos, a voz era de Gerson. Aos 23 anos, em sua segunda temporada pelo Flamengo, a primeira completa, o volante tornou-se uma das vozes ativas do vestiário, angariando um novo tipo de liderança no elenco, não só por atitudes como a citada mas também pelo futebol apresentado.


Converse com 10 pessoas que vivem o dia a dia do futebol do Flamengo, e 11 delas irão apontar Gerson como o melhor de sua posição no Brasil. Dentro e fora do clube, muitos vão além e o consideram o melhor jogador do país na temporada recém-encerrada. Numa campanha turbulenta no Brasileiro, que terminou em título mas teve momentos de dúvidas, o volante foi a garantia de consistência rubro-negra. Foi quem mais atuou pela equipe na competição, com 2.998 minutos.



Dentro de campo fez quase tudo: foi primeiro volante, meia avançado, atuou nas pontas esquerda e direita... Com Rogério Ceni e o ajuste final no time, passou a ter ainda mais responsabilidade no meio, dividindo as tarefas defensivas com Diego.


Os números de Gerson no Brasileirão pelo Espião Estatístico:

34 jogos (1º no Flamengo) (23º no campeonato)
2998 minutos (1º no Flamengo) (36º no campeonato)
1 gol (10º no Flamengo) (177º no campeonato)
3 assistências para gol (5º no Flamengo) (45º no campeonato)
43 finalizações (7º no Flamengo) (44º no campeonato)
35 assistências para finalização (6º no Flamengo) (36º no campeonato)
7 amarelos recebidos (3º maior no Flamengo) (18º no campeonato)
15 amarelos para adversários por faltas nele (1º no Flamengo) (1º no campeonato empatado com Marinho, do Santos)

O técnico do Flamengo, aliás, é um dos maiores fãs do jogador. Assim que chegou, Ceni teve uma conversa importante com o volante, que admitiu imaginar o novo treinador como alguém mais introspectivo, mas se surpreendeu com sua postura mais aberta. A partir dali, a relação se solidificou.


Foi entre os mais jovens do elenco rubro-negro que Gerson encontrou, de fato, seu nicho. Os garotos que subiram tratam o jogador como uma das principais referências. Próximo de nomes como Pepê e Thuler, o volante costuma ficar ao lado dos mais novos durante as refeições e tenta passar experiência e tranquilidade a eles.


Esta postura de Gerson como líder desabrochou depois da goleada sofrida pelo Flamengo para o Independiente del Valle por 5 a 0, em setembro, pela Libertadores. A sequência imediamente posterior, com a maioria do elenco pegando Covid-19 até o empate com o Palmeiras por 1 a 1 - jogo em que o time rubro-negro estava repleto de garotos -, consolidou o novo status do volante.


Ao lado de outros líderes do elenco, ele passou a ser consultado também em diversas tomadas de decisão no dia a dia do futebol rubro-negro ao longo da temporada.



Dos tempos de criança em Nova Iguaçu até os títulos no Flamengo

O sonho de atuar profissionalmente começou em um dos maiores rivais do Flamengo. Tratado como joia no Fluminense, Gerson disputou uma temporada, a de 2015, no time principal antes de ser vendido à Roma. O jogador, porém, jamais caiu nas graças dos torcedores tricolores, apesar de algumas boas partidas. Entre os mais críticos, a palavra mais frequente era "preguiçoso", pela postura pouco participativa em campo.


Em julho de 2019, quando Gerson chegou ao Flamengo após passagem sem brilho por Roma e Fiorentina, muitos torcedores rubro-negros desconfiaram da contratação. Mas desde o início o jogador mostrou um estilo de jogo totalmente diferente dos tempos de Fluminense. Em todos as partes do campo, com poder de marcação e criação, foi decisivo para o segundo semestre mágico de 2019 e conseguiu ter ainda mais importância na temporada 2020.


"Não só hoje em dia, desde muito tempo atrás, a maioria de jogadores com quem conversei tinha o sonho de jogar no Flamengo. É um grande clube, no Rio de Janeiro, a maior torcida, ver o Maracanã com 70 mil pessoas, todo mundo quer sentir esse gostinho de estar lá dentro vestindo a camisa do Mengão", diz o jogador.


RAIZ EM NOVA IGUAÇU

Depois do sucesso, a forma que Gerson e sua família encontraram para combater as dificuldades foi investir de volta no lugar onde cresceram. O volante ajuda mensalmente famílias carentes em Nova Iguaçu com cestas básicas. Desde que assinou seu primeiro contrato profissional, ainda pelo Fluminense, passou a entregar alimentos e brinquedos na cidade em todos os finais de anos.


Marcão e Gerson ainda são presença constante em Nova Iguaçu. O pai, por exemplo, costuma dar palestras na cidade. A última ação foi inaugurar duas franquias da “Loja do Vapo”, nos bairros da Cerâmica e de Morro Agudo, com produtos licenciados do jogador.


"Sempre pensei que, quando Deus me abençoasse, eu tinha que fazer um investimento na cidade, levar uma arrecadação, para fazer uma situação melhor. Temos que ajudar o nosso povo. Eu saí de uma situação em que muitos me chamavam de maluco. “Ah, esse louco vive andando com esse menino para lá e para cá”. Hoje, quando passo, o pessoal tira o chapéu para mim. Tem que tirar da cabeça esse negócio de que só filho de rico consegue as coisas. Nós também podemos", diz Marcão.



E A SELEÇÃO?

Um objetivo que ainda falta para Gerson conseguir é a Seleção. Dentro do Flamengo, o tom é de espanto quando se toca no assunto sobre a ausência de convocações do jogador, que tem histórico em seleções de base.


Um exemplo claro é o seu corte no Sul-Americano sub-17 de 2015. Na ocasião, o volante vivia às voltas com a doença de sua avó paterna, Ilda, que estava internada. Preocupado com a situação da avó e vendo que a comissão técnica precisava ainda cortar jogadores para a disputa do torneio, Gerson se antecipou e pediu para sair. Ilda morreu dias depois.


"Isso me deixa muito emocionado. Ele estava com a seleção sub-17 em Águas de Lindoia (São Paulo), e teve um sonho com a minha mãe. Pediu para ser cortado, disse que não estava com a cabeça boa. Muitos entenderam isso de forma diferente, acharam que ele estava de resenha, mas a gente sabe o que estava acontecendo", lembra Marcão.


Gerson foi logo em seguida cortado também do Mundial sub-20, e o episódio do sub-17 foi lembrado pelo então treinador, Alexandre Gallo. Foi o fim da passagem do meia nas seleções de base.
O Gerson de hoje é resultado de um processo que começou lá atrás. Algo que nem sempre foi bem compreendido.



Já no Flamengo, destaque absoluto em 2019, Gerson entrou no radar da seleção sub-23 para a disputa do Pré-Olímpico em janeiro de 2020.


Gustavo Leal, auxiliar do técnico André Jardine, entrou em contato com Marcão para saber das condições físicas do volante. Recebeu a resposta de que a temporada havia sido extremamente desgastante e que Gerson não havia tido pré-temporada. O jogador acabou não convocado.


Sem Gerson na seleção olímpica nem na principal, Tite é constantemente perguntado sobre a ausência do rubro-negro, mas é sempre evasivo.


"Não houve qualquer tipo de punição ao Gerson. Minha palavra que não teve nada disso. Sempre esteve no nosso acompanhamento. Existe uma concorrência na posição. Em alguma circunstância que se escolhe um e não leva o outro. Mas esse aspecto disciplinar não tem", disse Tite, em dezembro de 2020, no Seleção SporTV.



Em uma seleção Gerson está garantido: a do Campeonato Brasileiro. Ele foi escolhido entre os melhores jogadores do torneio. Campeão e líder: o ano do Vapo foi o ano da ascensão de Gerson no Flamengo.

#flamengo #mengao #rubronegro #gerson #vapo

552 visitas - Fonte: Globoesporte.com


VEJA: Negociação do Carioca com Globo congela, e há impasse na divisão de receita

CONFIRA: Análise: Flamengo dá motivos para preocupar o torcedor
















Instale o app do Flamengo para Android, receba notícias e converse com outros flamenguistas no Fórum!

Mais notícias do Flamengo

Notícias de contratações do Flamengo
Notícias mais lidas

Comentários do Facebook -




Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar!

Enviar Comentário

Para enviar comentários, você precisa estar cadastrado e logado no nosso site. Para se cadastrar, clique Aqui. Para fazer login, clique Aqui ou Conecte com Facebook.
Casa da apostas online Betway

Últimas notícias do Mengão

Próximo Jogo - Copa do Brasil

Quarta - 21:30 - Maracanã - TVGlobo
Flamengo
Athletico-PR

Último jogo - Brasileiro

Sábado - 19:00 - Maracanã
Fluminense
3 1
Flamengo